O presidente Michel Temer sancionou, na noite desta terça-feira (20), a criação das universidades federais de Catalão e Jataí. As duas unidades serão desvinculadas da Universidade Federal Goiás (UFG), se tornando autônomas.

Os cargos de reitor e vice-reitor deverão ser preenchidos por nomes indicados pelo Ministério da Educação, até que os estatutos das universidades sejam organizados. A transferência de alunos e servidores, que atualmente estão lotados nos campus da UFG, será automática e a estrutura que já existe será aproveitada. Com isso, o Estado passa de uma para três universidades federais. 

A Universidade Federal de Catalão (UfCat) foi gerada a partir da aprovação do PLC 5/2018. Segundo o texto, a instituição terá sede e foro no município de mesmo nome. Cursos, alunos e cargos da Regional Catalão da UFG serão automaticamente transferidos para a UfCat, assim como seu patrimônio.

Em Catalão, além do aproveitamento da estrutura existente da UFG, para compor o quadro de pessoal da instituição desmembrada, o projeto prevê a criação de 81 cargos efetivos do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação - de nível médio e superior -, 40 cargos de direção, 225 funções gratificadas e cinco Funções Comissionadas de Coordenação de Curso (FCC).

Já a criação da Universidade Federal de Jataí (UFJ) foi objeto do PLC 7/2018, que também estabelece sede e foro no município de mesmo nome. De acordo com o texto, a transferência de cursos, alunos e cargos será automática. Além do aproveitamento da estrutura existente da UFG, o texto aprovado prevê a criação de 67 cargos efetivos do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação, 40 cargos de direção, 222 funções gratificadas e duas Funções Comissionadas de Coordenação de Curso.

Autor das indicações ao Poder Executivo para que enviasse as matérias sobre a criação das universidades ao Congresso, o deputado federal Daniel Vilela (MDB) diz que a iniciativa fortalece as unidades, devido à independência na atuação acadêmica, fazendo com que as regiões abrangidas tenham condições de captar recursos e projetos, além de uma grade de cursos específicos, como na área de mineração em Catalão e o agronegócio em Jataí. Ainda de acordo com ele, o impacto financeiro com o desmembramento da UFG é pequeno, visto que a maioria dos cargos já existem. Ele não soube informar, no entanto, qual seria esse impacto. "É uma grande conquista para Goiás. Era um dos únicos Estados em desenvolvimento que tinham apenas uma universidade federal", disse o deputado.