“Foi um barulho que parecia foguete, mas logo em seguida vieram outros. Senti estilhaços de vidro na minha boca, tive a sensação que meu tímpano tinha estourado e ouvi a motorista dizer: ‘moça, perdi meu dedo’. Ela estava toda ensanguentada”. O relato é de uma psicóloga que viveu momentos de terror ao perceber que se encontrava na rota de uma bala perdida, na terça-feira ...
Leia todo conteúdo do site de forma ilimitada e gratuita até 04 de junho.

Após essa data, voltaremos ao acesso de 05 matérias exclusivas por mês.
Aproveite agora!
ou

Garanta sua Assinatura com um Desconto Especial!


QUERO SER ASSINANTE
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários