“Foi um barulho que parecia foguete, mas logo em seguida vieram outros. Senti estilhaços de vidro na minha boca, tive a sensação que meu tímpano tinha estourado e ouvi a motorista dizer: ‘moça, perdi meu dedo’. Ela estava toda ensanguentada”. O relato é de uma psicóloga que viveu momentos de terror ao perceber que se encontrava na rota de uma bala perdida, na terça-feira ...
Faça o seu cadastro e acesse até 05 matérias exclusivas por mês gratuitamente.
ou
Aproveite todo o conteúdo do site de forma ilimitada!
Assine O Popular!
QUERO SER ASSINANTE
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários