“Ele me mostrou um vídeo pornô e depois me levou para a cama dele.” O desabafo é de Amanda (nome fictício), uma calunga de 12 anos de idade, moradora de uma comunidade de descendentes de escravos quilombolas que se refugiaram em Cavalcante, no Nordeste de Goiás. Ela não é a única vítima. O Conselho Tutelar registra, em média, por mês, cinco denúncias de abuso sexual in...
Faça o seu cadastro e acesse até 05 matérias exclusivas por mês gratuitamente.
ou
Aproveite todo o conteúdo do site de forma ilimitada!
Assine O Popular!
QUERO SER ASSINANTE
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários