Representantes da Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa de Goiás visitaram, na manhã desta quarta-feira (01/04), as obras do novo aeroporto de Goiânia. Na ocasião, o responsável pelo empreendimento, José Eduardo Bernat, da Infraero, mostrou aos deputados estaduais que aproximadamente 92% da construção do novo terminal de passageiros estão concluídos.

Bernat fez uma apresentação técnica, com o balanço do que foi feito até agora e que falta ser concluído. Em seguida, levou os membros da comissão para conhecer todas as dependências no novo terminal. Também participaram da visita representantes da Federação das Indústrias de Goiás (Fieg), do Convention Bureau e da imprensa. Essa foi a primeira vez que fotógrafos, cinegrafistas e jornalistas tiveram acesso ao interior do prédio.

Questionado se o consórcio responsável pelo empreendimento conseguirá cumprir a meta estabelecida pela presidente Dilma Rousseff (PT), que em sua última visita a Goiânia prometeu entregar o novo aeroporto em novembro deste ano, Bernat afirma que é um prazo possível. Afirmou que o repasse de mais de R$ 220 milhões já foi aprovado, mas que parte desses recursos precisam ser adiantados pelo governo federal, para  o andamento dos trabalhos.

A previsão é que, ao fim da obra, a capacidade operacional do Santa Genoveva salte de 3,5 milhões de passageiros por ano para 6,3 milhões. "Vamos praticamente dobrar a capacidade", disse Bernat. "Pelo que nos foi passado aqui hoje, eu estou otimista. Eu acredito que o compromisso feito pela presidente em Goiânia será cumprido. O dinheiro já foi votado no orçamento agora em março e depende agora que os repasses sejam efetivados", disse o deputado Simeyzon Silveira (PSC), presidente da comissão.

As obras de reforma e ampliação do Aeroporto Santa Genoveva se arrastam desde 2005, passando por diversas paralisações. Em 2013, a Infraero apresentou ao TCU o projeto e o orçamento atualizados do empreendimento, ainda que de maneira parcial, contemplando apenas o terminal de passageiros. Ao avaliar essas informações, por meio de novo acórdão, de julho de 2013, o Tribunal de Contas da União concordou com a retomada da obra, com a ressalva de não serem admitidos quaisquer aditivos.

Em novembro do ano passado, o TCU autorizou a retomada das obras de infraestrutura. As obras do terminal já haviam sido liberadas.  Pelo contrato, o consórcio responsável, formado pelas empresas Odebrecht e Via Engenharia, têm até abril de 2016 para concluir o empreendimento.