Diretora do Centro de Capacitação dos Profissionais da Educação e Atendimento às Pessoas com Surdez (CAS) de Goiânia, a professora Elisabel Atayde Ribeiro afirma que sem um intérprete, a comunicação de um aluno surdo em sala de aula vai se limitar a praticamente zero. “É claro que a gente se vira, usa mímicas, pequenas palavras escritas. Você tem uma comunicação pura e...
No mês de aniversário do O Popular, cadastre-se e tenha acesso ilimitado à todo conteúdo do portal.
ou
Conheça todos os nossos planos de assinatura.
QUERO SER ASSINANTE
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários