O goiano Cristiano Francisco de Azevedo Junior, de 21 anos, conquistou medalha de prata em um congresso de Ciência na Sibéria. Ele e o paraense Carlos Weldo foram os primeiros brasileiros a concorrer no 7° Torneio Internacional de Ciências Naturais da Rússia. Cristiano é estudante de engenharia química na Universidade de Salamanca, na Espanha, vaga que conseguiu pelo ENEM, em 2012.

Todos os anos, desde 2010, estudantes de Química, Física, Medicina, Farmácia, Biologia e engenharias de todo o mundo montam e inscrevem equipes para participar do torneio de Ciências Naturais na Rússia, organizado pela Universidade de São Petersburgo. Os times são desafiados em duas etapas, um on-line e outra presencial. Na primeira, os times são desafiados a apresentarem soluções científicas para problemas reais da sociedade. Como salvar livros de um incêndio sem deixar que sejam corrompidos pelo fogo e pela água, por exemplo.

Na segunda etapa, os aprovados na fase virtual são convidados a participar da fase presencial, que este ano ocorreu em Novosibirsk, maior cidade da Sibéria e terceira maior cidade do país. São três dias de competição, onde os concorrentes devem defender seus três projetos da primeira etapa e apresentar soluções para novos 12 problemas. Os 15 projetos são debatidos pelos seus idealizadores e os concorrentes e julgado por uma banca de cientistas renomados de Ciências Naturais. O Torneio contou com estudantes de todo mundo, representando universidade de países como Singapura, Quênia, Rússia, Indonésia e Espanha.

Cristiano representou a Universidade de Salamanca, onde estuda há três anos. Após se inscrever no Programa Universidade Para Todos (Prouni) em 2012, o estudante de escola pública foi surpreendido por uma ligação do Ministério da Educação (MEC), o parabenizando por ser uma das 10 melhores notas do exame naquele ano. Com esta colocação ele teve a oportunidade de se mudar para Espanha, estudar o idioma e prestar o vestibular da Universidade de Salamanca, a qual o MEC tinha convênio. O Prouni Internacional deixou de ser ofertado no ano seguinte pelo governo federal.

O estudante foi aprovado e cursa Engenharia Química na instituição desde 2013. Ele recebe auxílio financeiro do governo federal até o fim da graduação, que inclui passagens anuais para visitar a família em Goiânia. Ele realça a importância do exame para sua formação, “O Enem é a melhor oportunidade que um jovem tem de conseguir um futuro acadêmico, a parte principal de um sistema fantástico”, declara.

Após a aprovação na etapa presencial, Cristiano abriu um fundo de investimento na internet para arrecadar o dinheiro necessário para arcar com as despesas da viagem. Com ajuda de familiares, amigos e da própria universidade, a equipe Zenith conseguiu a verba para custear a viagem a Sibéria. “O nosso time se chamava Zenith por um motivo, não necessariamente queríamos chegar ao topo (significado da palavra) do torneio. Queríamos atingir o topo de nossa excelência!”, explica ele.

“Enquanto eu pesquisava e estudava para desenvolver nossos projetos, eu começava a me sentir um cientista”, declara o jovem em meio a sorrisos. Cristiano está ansioso para as próximas férias chegarem logo e para poder voltar para Goiânia. Desta vez trazendo na mala uma nova conquista, a medalha de prata.