Cidades

Protesto de ambulantes fecha Padre Pelágio e vídeo mostra brigas entre camelôs e guardas na Praça A

Empresa responsável pela segurança nos terminais afirmou que os ambulantes chegaram a utilizar um facão contra os vigilantes no momento dos confrontos

Reprodução
Reprodução/WhatsApp
Empresa de segurança Proguarda informou que ambulantes chegaram a utilizar um facão contra os vigilantes

O clima é de tensão nos principais terminais de ônibus de Goiânia nesta quarta-feira (6). Na manhã de hoje, uma fiscalização terminou em confronto entre vigilantes e vendedores ambulantes no Padre Pelágio, onde a Guarda Civil Metropolitana, a Polícia Militar e a Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Habitação (SEPLANH) já haviam cumprido 18 autos de apreensão ontem (5).

A ação ocorre após o Ministério Público abrir investigação para apurar a comercialização sem a devida licença e autorização nos locais. Como resultado dos confrontos, o Terminal Padre Pelágio foi fechado por, de acordo com a Polícia Militar, cerca de 100 ambulantes que realizam uma manifestação no final da tarde desta quarta. Com isso, a entrada e saída de linhas passantes ficam suspensas neste momento, informou a RMTC em seu perfil oficial no Twitter.

Praça A

O conflito entre vigilantes e camelôs também ocorreu nesta manhã no Terminal Praça A, no Setor Coimbra. Vídeos feitos por celulares mostram seguranças e ambulantes entrando em confronto corporal no local. Na gravação é possível ver que os vigias usaram cassetetes contra os vendedores informais, que também mostravam resistência em sair do terminal. (Veja o vídeo acima)

A empresa Proguarda, responsável pela segurança do local, enviou uma nota afirmando que a ação é decorrente do combate do poder público contra o comércio ilegal nos terminais, que prejudicaria tanto o usuário do transporte coletivo quanto o comerciante formal. Além disso, a empresa informou que até mesmo um facão foi utilizado contra os vigilantes durante os confrontos.

“O que ocorre é que temos uma situação em alguns terminais onde ambulantes ocupam ilegalmente o espaço destinado ao usuário do transporte coletivo para sua melhor segurança e conforto. Esta situação de desordem, além de prejudicar o comerciante formal que paga pelo espaço e recolhe seus impostos, propicia a prática de vários crimes como furtos e roubos aos usuários. Nos vídeos gravados nesta manhã, o início da ação se da com os vigilantes solicitando a retirada das barracas dos ambulantes e sendo agredidos. Ele respondem a fim de garantirem a sua integridade física. Ratificamos que a Proguarda mantém uma rotina constante de treinamentos aos seus vigilantes onde pauta sempre pela conduta pacífica e respeitosa para com a população.”, afirmou em nota o diretor regional da Proguarda, Artur Eloy Chagas de Oliveira. 

Reprodução
Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.