Ao mesmo tempo em que cria narrativas afetuosas, o cinema incomoda, denuncia e protesta. Às vezes, faz tudo ao mesmo tempo, costurando desfechos espinhosos e finais felizes – ora com crueza, ora com poesia, artifício digno da sétima arte. Desde 2002, essa sinuosidade vem sendo o fio condutor para o trabalho de curadoria da mostra O Amor, a Morte e as Paixões....

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários