Cidades

Violência: Fim de relacionamento teria motivado cárcere

O administrador de empresa suspeito de manter a ex-namorada e outras quatro pessoas em cárcere privado durante oito dias não aceitava o fim do relacionamento. Segundo a mãe, ele foi diagnosticado com transtorno de bipolaridade, e essa não seria a primeira vez que o filho a ameaçava. Além da ex-namorada, ele ainda manteve a mãe, o filho recém-nascido, uma criança de sete anos, e a avó, de 84 anos, em cárcere privado.

Adriano Ribeiro, de 34 anos, foi preso em flagrante enquanto ameaçava a ex-namorada, na porta da casa dela, por ter conseguido fugir no último sábado, 10. A ex-namorada teria ido até a casa de Adriano, no setor Oeste, no dia 3, apresentar o filho do casal, de 40 dias de vida, mas foi impedida de sair sob ameaça.

De acordo com a mãe dele, que não quis se identificar, o casal teria se conhecido há um ano e namorou durante seis meses, mas se separou após a vítima pedir o fim do relacionamento. Adriano não aceitava o rompimento. “Quando ela chegou ele estava muito alterado, pois tinha bebido, e a impediu de sair de casa falando que ia matar todo mundo com uma faca ou ateando fogo na gente com gasolina e pneu”, contou.

A ex-namorada conseguiu fugir após um descuido de Adriano. “Foi aterrorizante. Ele não deixava a gente nem fazer comida. Ficava nos ameaçando”, diz a mãe dele. Adriano não fez tratamento para o transtorno. “Tentamos, mas ele nunca fez o tratamento direito. Fazia algumas terapias espirituais quando estava bem, mas só beber, começa.”

Em 2010, diz a mãe, ele teria ficado seis meses detido após ameaçar agredi-la. Ela conta que chegou a ter uma medida protetiva. “Ele tentou me matar com um facão. Eu tenho muito medo dele.” A mãe dele registrou boletim na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher. A delegada Ana Elisa Gomes diz que está no início das investigações. Ele deve ser indiciado por injúria e ameaça. A ex-namorada de Adriano não quis comentar o caso. (Géssica Veloso é estagiária do Grupo Jaime Câmara em convênio com a PUC-GO)

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ