Cidades

Sedado e intubado, estudante agredido por PM em protesto passa por cirurgia de reparação facial

De acordo com o último boletim médico, o estado de saúde de Mateus Ferreira da Silva é grave; jovem sofreu várias fraturas no rosto e traumatismo cranioencefálico

Foto: Luiz da Luz
Sequência do momento em que o policial quebrou um cassetete na cabeça do estudante em Goiânia

O estudante de ciências sociais da Universidade Federal de Goiás (UFG), Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, passa por cirurgia de reparação dos ossos frontais na tarde deste sábado (29), no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). O quadro clínico do estudante, conforme informações do hospital, é o mesmo desde a sua internação: grave, sedado e intubado. A opção pela cirurgia foi tomada pelas equipes médicas pelo fato do quadro ter se mantido estável. O procedimento foi iniciado por volta das 15 horas e não há previsão de término.

Amigos de Mateus estão durante todo o dia na porta do Hugo aguardando notícias sobre o jovem e deixando mensagens de solidariedade. A mãe do estudante, a cabeleireira Suzeth Barbosa, de 49 anos, mora em Barueri, em São Paulo, chegou no início da tarde deste sábado ao hospital. Ela continua na unidade juntamente com o irmão de Mateus, o estudante Natanael Barbosa Santos, aguardando o fim da cirurgia. 

Flagrante

Uma gravação divulgada nas redes sociais registrou o momento em quem o estudante foi agredido durante as manifestações. Pelo vídeo é possível ver que há uma confusão no local e a ação da polícia contra os grupos. Mateus estava correndo sozinho quando foi acertado na cabeça por um policial usando um cassetete. Ele veio ao chão na hora.

Assista ao vídeo:

Pelas redes sociais participantes dos protestos relatam abuso de força por parte dos policiais militares (PMs) acionados para acompanhar a manifestação. O confronto, transmitido ao vivo durante o Jornal Anhanguera 1ª Edição, mostra a ação dos PMs contra manifestantes encapuzados que quebraram os vidros de agências bancárias e comércios no Centro da capital, e que tentavam colocar fogo em cartazes e faixas utilizadas no protesto. O que não era o caso do estudante, que não escondia o rosto.

Os policiais militares apagaram o princípio de incêndio e, em seguida, foram alvejados por pedras e pedaços de madeira. Os PMs reagiram acertando pessoas aleatoriamente com o cassetete e spray de pimenta. Nesse momento que Mateus teria sido agredido.

Nas imagens da TV Anhanguera também é possível observar uma mulher sendo atingida por golpes de, pelo menos, quatro policiais.

Nota de repúdio

A UFG também divulgou, na manhã deste sábado (29), uma nota de repúdio à agressão sofrida pelo estudante. A Universidade expressou que acompanhará o atendimento ao estudante no HUGO e que o reitor Orlando Amaral cobrará da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) "a adequada apuração dos fatos e a punição dos responsáveis". Ainda de acordo com a nota, a UFG se coloca como "histórica defensora do direito à livre manifestação e condena com veemência atos de repressão que venham a cercear esse princípio democrático."

Agressão

Em nota enviada para a imprensa na noite de ontem, a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) classificou a conduta do capitão da PM, cujo nome não foi divulgado pela corporação nem pela secretaria, como “atos que ferem a ética da corporação e das demais forças que compõem a Segurança Pública, cuja missão é proteger vidas e jamais atentar contra qualquer cidadão”.

Segundo a nota, “livres manifestações, desde que pacíficas e ordeiras, são um direito constitucional e legítimo de todos os brasileiros e devem ser respeitadas e preservadas por todos”. Em casos de condutas delituosas, “essas devem ser reprimidas com rigor e cuidado técnico pela polícia, até em defesa do conjunto de manifestantes, mas sem jamais utilizar-se de recursos antiéticos e perversos e causadores de graves de desnecessárias lesões”.

A nota foi a terceira emitida no dia por autoridades da Segurança Pública goiana. No início da tarde, ao ser questionada sobre agressões a dois estudantes, no mínimo, durante a manifestação, o assessor de comunicação social da Polícia Militar, tenente-coronel Ricardo Mendes afirmou ao POPULAR que “não houve confronto entre manifestantes e a PM. A confusão aconteceu entre os próprios manifestantes”.

A versão da PM mudou mais tarde, quando fotografias e filmagens das agressões se tornaram públicas na imprensa e nas redes sociais.

Em uma segunda nota à imprensa, o comando da PM informava que “condena veementemente todo e qualquer tipo de agressão, praticada por policiais militares no exercício da sua função”. O coronel Divino Alves, comandante-geral da PM, determinou investigação sobre a conduta do militar.

A sequência de fotos abaixo mostra que a vítima corria na Avenida Goiás, quando foi atingida brutalmente pelo capitão da Polícia Militar. O cassetete se partiu com a violência do golpe. Veja:

Fotos: Luiz da Luz
Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.