Cidades

Posto de combustíveis é interditado após laudo comprovar 75% de água em óleo diesel

De acordo com o Procon Goiás, a bomba onde estava o combustível adulterado permanece interditada até a regularização

Marcello Dantas

Atualizada às 16h07

Uma das bombas do posto de combustíveis do Carrefour, na Avenida T-9, setor Vila Bela em Goiânia, foi interditada após um laudo da Agência Nacional de Petróleo comprovar que havia 75% de água no óleo diesel, sendo que o permitido é de 0,07%. Segundo o gerente de fiscalização do Procon, também havia muita sujeira.

De acordo com o Procon, o dono do posto foi autuado e agora tem um prazo de 15 dias para apresentar a defesa. Se não for aceita, a multa para esse caso é a partir de R$ 5 mil. Já a bomba do estabelecimento só volta a funcionar quando for regularizada.

A inspeção foi iniciada na última quinta-feira (5) a após diversas denúncias de que motoristas teriam abastecido o veículo ali e tiveram problemas no funcionamento do automóvel em seguida.

"Aos consumidores lesados, o Procon Goiás está disponibilizando os laudos para que eles busquem o reembolso nos juizados cíveis. Os consumidores lesados ainda podem juntar a nota do posto, de quando abasteceram o veículo, as despesas com mecânico. Não há necessidade de advogado nesse tipo de ação", explica a superintendente do órgão de defesa do consumidor, Darlene Araújo.

De acordo com o Procon, outros 10 postos de Goiânia e Senador Canedo também foram fiscalizados por suspeitas de alterações no diesel, etanol e gasolina. O resultado deve ser divulgado na terça-feira (10).

Em nota, a assessoria de imprensa do Carrefour, enviou o posicionamento da rede referente ao laudo divulgado hoje pelo Procon. "Após tomar conhecimento do caso, a rede começou um rigoroso procedimento para averiguar qualquer desvio de processo de forma isolada neste tanque de diesel, no posto citado. A venda do produto seguirá interrompida e será retomada apenas após o esclarecimento das causas e correções necessárias. A empresa informa que a qualidade é atestada por instituto independente, atendendo rigorosos padrões e a legislação vigente. A companhia segue à disposição dos clientes e autoridades". 

Sindiposto repudia fraudes em combustíveis e apoia investigação
O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Goiás (Sindiposto) divulgou uma nota, onde repudia as fraudes constadas pelo Procon de Goiás em postos de combustíveis na Região Metropolitana de Goiânia.

O advogado do Sindiposto, Antônio Carlos de Lima, explica que a legislação permite que seja adiciona à gasolina o percentual de 27% de álcool anidro, mas o que esses revendedores flagrados vêm fazendo é adicionar um percentual maior. Antônio Carlos destaca que o etanol anidro não é o mesmo etanol vendido na bomba e tem o custo muito inferior, por isso é usado na fraude.

O advogado esclarece ainda que o Sindiposto busca a concorrência justa entre os revendedores e, para que isso aconteça, as ações devem combater três ilegalidades: adulteração, roubo de combustíveis e sonegação fiscal. “Tudo o que queremos é o mercado transparente e sadio”, defende. Por isso, o Sindicato apoia integralmente as ações de fiscalização.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.