Cidades

Paciente que depende do tratamento vive luta diária

A falta de quimioterapia é mais um obstáculo no tratamento de saúde de Fábio Gomes Costa, de 28 anos. Ele foi diagnosticado com um linfoma de Hodgkin, tipo de câncer linfático, no início do mês e é um dos pacientes da Santa Casa de Misericórdia de Goiânia prejudicado com a falta de medicamentos para realizar quimioterapia.

Em abril do ano passado, Fábio foi a um posto de saúde em Trindade, onde mora, por conta de um caroço que percebeu no pescoço. Desde então, ele está vivendo entre hospitais, clínicas e a Secretaria de Saúde da cidade para conseguir realizar exames e consultas.

A demora para conseguir fazer exames pelo Sistema Único de Saúde o obrigou a pagar por médicos particulares. Mesmo com dificuldade financeira, já que está desempregado, familiares e amigos o ajudam nas despesas. Organizados por amigos, uma galinhada e um torneio de sinuca marcado para o próximo mês ajudam a arrecadar dinheiro para o tratamento.

Além da demora, falta de informação e erros administrativos acabam aumentando a angústia do paciente.

“Eu não vou ficar abatido porque não está tendo remédio. Vou para cima, vou procurar meus direitos e vou ser curado”, afirma Fábio, que teve que fazer parte da sua primeira sessão de quimioterapia em uma clínica particular pelo custo de cerca de 900 reais.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ