Cidades

Motorista do Uber é rendido e morto a facadas em Aparecida de Goiânia

Segundo a PM, dois homens armados levaram a vítima para a zona rural do município e efetuaram o crime

Atualizada às 19h57 de 12/08/2017

Um motorista do aplicativo Uber foi morto a facadas durante um assalto no fim da tarde de sexta-feira (12), na Serra das Areias, em Aparecida de Goiânia. Segundo a Polícia Militar (PM), Welder da Silva Marques foi rendido por dois homens armados que o levaram para a zona rural do município e o esfaquearam até a morte.

Depois do assassinato, os autores fugiram com o carro e os pertences da vítima. De acordo com a PM, os vizinhos encontraram o corpo e acionaram as autoridades. Cerca de duas horas após o latrocínio, os policiais visualizaram o veículo roubado e, durante a fuga, os suspeitos atiraram contra as viaturas.

Os policiais revidaram e atingiram um dos suspeitos. Ele foi socorrido e levado ao Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa). Ao contrário do que a PM havia informado anteriormente, o homem não morreu e segue internado na unidade de saúde. Ele está sendo escoltado por policiais militares. Uma arma e a faca utilizadas no crime foram apreendidas e os pertences recuperados. O comparsa foi preso e encaminhado ao 4º Distrito Policial (DP) de Aparecida.

A reportagem do POPULAR tenta contato com o 4º DP, mas as ligações não foram atendidas. A assessoria de imprensa do Uber informou à reportagem que o motorista não trabalhava no momento do crime e que a empresa ajudará a investigação. Em nota, a companhia diz que "lamenta profundamente que motoristas parceiros sejam alvo de violência urbana, uma vez que vão às ruas todos os dias ajudar a construir o futuro da mobilidade em nossas cidades e gerar renda para si próprios e suas famílias."

Ainda de acordo com o texto, A Uber afirma que tem trabalhado em produtos específicos para o Brasil. "Lançamos, há alguns meses, uma ferramenta de verificação de identidade que exige que usuários que fizerem o pagamento de suas viagens em dinheiro insiram o seu CPF antes de ter acesso ao aplicativo. Isso vai se juntar às demais medidas de prevenção de risco que implementamos no ano passado para aprimorar o mapeamento de usuários suspeitos antes de fazerem viagens. É importante frisar que a Uber sempre trabalha junto com as autoridades, nos termos da lei".

Destacou também que possui camadas de tecnologia que agregam segurança antes, durante, e depois de cada viagem para motoristas parceiros, como exemplo: antes de iniciar qualquer viagem, todos os usuários da Uber devem necessariamente se cadastrar na plataforma. É necessário inserir cartão de crédito ou CPF antes de ter acesso ao aplicativo. Além disso, durante a corrida, os motoristas parceiros contam com um número de telefone 0800 para casos de emergência. Além disso, na Uber não existem viagens anônimas e que todas as viagens são rastreadas utilizando GPS.

E, por fim, a empresa diz que depois de cada viagem, tanto para o motorista parceiro quanto para o usuário,  a "avaliação mútua" após cada viagem é um ponto importante para o bom funcionamento da plataforma. Lembrando que o usuário também pode ser desconectado da plataforma se tiver uma média baixa de avaliações ou conduta que viole os termos de uso - como é o caso de qualquer tipo de violência. Os parceiros contam também com uma equipe de suporte que analisa todos os incidentes, caso a caso. Mais do que isso, em casos de investigações policiais colaboramos com as autoridades nos termos da lei.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.